segunda-feira, 15 de abril de 2013

A angústia apaziguada

Houve dias de angústias renovadas. Houve. Eram aqueles dias em que a esperança se debatia e era ela quem fazia de cada revés, recaída ou contratempo angústias renovadas - algumas delas exorcizadas em forma de poesia.

Hoje vê-se a história repetida: parenta internada. Hospital, horário de visita. Nos boletins médicos, sobressaltos que não são novos. Novo é o fato de a esperança estar fugidia, assim como as angústias que não se renovam como naqueles dias idos. Algo se partiu dentro de mim: conformei-me com a ideia da perda ou foi a angústia, por si mesma, que perdeu o seu sentido?

Nenhum comentário:

Postar um comentário